A voz da favela contra a pirotécnica política de segurança pública oficial

Militares do Exército durante operação na Rocinha (foto: Fábio Guimarães)

Ao longo desses últimos dois meses as áreas periféricas e marginalizadas da zona sul e norte carioca padeceram do mesmo percalço desencadeado por uma míope política de segurança pública alcunhada pela “presença militar nas favelas”.

A presença militar do Exército brasileiro e os fuzileiros navais – mesmo que de patente descompasso com as forças de segurança conhecedoras do território da malha urbana a ser pacificada –  ocuparam algumas favelas cariocas, como a Maré, Rocinha, entre outras. Os “periquitos”, nome dados aos militares pelos moradores das favelas, passaram a fazer o papel infeliz de conter a violência urbana. Infeliz porque serviram como “ponta de iceberg” ao levar às favelas com seus blindados e fuzis ao invés da infraestrutural cultura, saúde, educação, saneamento, moradia digna, etc. Contudo, a maioria dos moradores tanto do “morro” como do “asfalto” viu nessa iniciativa um alento aos dias de “chuva forte” dos tiros de fuzil dia e noite.

Mesmo com o fim da “intervenção militar”, como se já não fosse cotidiana com as forças especiais estaduais (Bope e Core) ou do contingente formado no projeto UPP, a PAZ nas favelas não foi alcançada – como já apontavam muitos especialistas e pesquisadores de diversos centros de pesquisa e universidades.

Tal conjuntura é agravada pela incorporação da narrativa da escassez em que os cortes na segurança pública e o deslocamento do contingente de servidores para as áreas nobres da cidade são corroborados pela tônica reativa que prescinde a supressão de direitos e garantias fundamentais do Estado Democrático de Direito.

Inúmeros flagrantes e incidentes criminais derivados da conduta oficial e oficiosa dos agentes públicos da segurança têm deixado os moradores das favelas cariocas receosos em deixar seus lares para trabalhar ou se abrigar na casa de algum amigo ou parente – mesmo que pra muitos, opção remota –  em função dos arrombamentos de lares e apreensões de pertences e bens materiais sob o auspício da ficção jurídica chamada de mandado de busca coletivo.

Neste particular, inúmeros garantias constitucionais inerentes à cidadania estão sendo usurpadas:  revistas vexatórias; impedimento do direito de ir e vir com o fechamento de becos e ruas sem prévio aviso ou justificação; invasão de privacidade ao abordar moradores e obrigar estes a desbloquear os telefones móveis em busca de imagens e vídeos incriminatórios; entre outros.

Cabe ressaltar que as comunidades, a exemplo da Rocinha, quer e precisa, mais do que ninguém, que a sua rotina e cotidiano seja reativado, contudo é inadmissível os recorrentes ataques físicos aos moradores e aos membros de ONGs, dentre os quais, advogados populares que são agredidos verbalmente ou impedidos do exercício de suas prerrogativas e garantias da advocacia que ferem não só os advogados e sua equipe, como a todos os advogados do país que se dedicam com ética e à defesa de direitos e garantias fundamentais.

De igual modo, vangloria-se o devido processo legal, o contraditório, a ampla defesa, a presunção de inocência, entre outros, são princípios fundamentais do Estado democrático de direito e oponíveis a qualquer brasileiro que queira retirar o protagonismo popular do “governo do povo, pelo povo e para o povo”.

Independente das acepções abertas do direito civil de patrimônio público, bem como àqueles referentes ao direito penal (desacato à autoridade, abuso de poder, etc.), devem estar em consonância com a hermenêutica constitucional que preconiza a harmonia dos institutos infraconstitucionais ao império da lei magna.

A política pública de segurança perpetuar-se-á inoperante se restrita aos milhares financeiros e de contingente humano despreparados para o lidar no complexo tecido urbano e interpessoal, bem como em apostar na “delação premiada” do Disque denúncia quando a “linguagem da favela” é acreditar que a paz só será alcançada por intermédio da consolidação de uma facção no território ou do “arrego” às forças policiais – diante a cultura do enfrentamento casuístico e não estrutural.

Enquanto o executivo padecer da miopia do mero enfrentamento supressor da dignidade dos periféricos sobreviventes deste cenário de guerra e o judiciário negligenciar os direitos dos cidadãos desses “formigueiros humanos” morremos todos: pobres, pretos, mães solteiras, professores, ambulantes, diaristas…fardados ou não.

* Professor, advogado e amigo da Rocinha

Matéria de Jornal do Brasil clique aqui

FavelaDaRocinha

Site de comunicação comunitária desenvolvido por estudantes de comunicação da própria comunidade da Rocinha.

FavelaDaRocinha

FavelaDaRocinha

Site de comunicação comunitária desenvolvido por estudantes de comunicação da própria comunidade da Rocinha.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *