‘Se mata polícia aqui como se mata galinha’, diz Pezão a moradores da Rocinha

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão – (foto: Roberto Moreyra / Agência O Globo)

Durante um encontro com moradores da Rocinha na manhã desta segunda-feira, no Palácio Guanabara, o governador Luiz Fernando Pezão ouviu relatos e recebeu pedidos de trégua do confronto armado entre policiais e traficantes da região. Os tiroteios na comunidade desde setembro já deixaram 34 mortos, entre eles o soldado Tiago Chaves, do Batalhão de Choque, na última quinta. Pezão sugeriu uma grande campanha pelo desarmamento e atribuiu a situação caótica de violência no Rio à entrada de armas pelos rodovias federais e ao poder financeiro dos traficantes.

— Infelizmente, o Rio é uma peneira porque é cercado de rodovias federais. Eu não posso patrulhar as rodovias e a Baía de Guanabara, e isso foi se dando aqui dentro do Rio um verdadeiro arsenal que não é normal ter numa comunidade 200 fuzis, na outra 300 fuzis, não dá, não dá. Então, esse é um problemaço para o estado. Nós temos que fazer uma grande campanha, um grande trabalho pelo desarmanento e isso só pode ser através das lideranças de dentro das comunidades, com as ONGs, igrejas — afirmou e em seguida disse não ter a utopia de achar que vai acabar com as drogas:

 

— Uma série de pessoas fica questionando (a política de segurança) no asfalto, mas alimenta o tráfico de drogas. Isso é uma grande vergonha. Se tem guerra pelo comando é porque tem consumidor e dá dinheiro. São territórios (as comundiades) dominados por fuzis. Eu quero que vocês me ajudem também, me deem o caminho. Eu não quero botar polícia lá trocando tiro o tempo inteiro. Eu quero policial morto? No Rio ano passado foram 134, isso não é normal. Se mata polícia aqui como se mata a galinha. Isso não é normal.

Ao governador, os moradores relataram desespero de pessoas que tiveram suas casas perfuradas por tiros, famílias que estão abandonando a comunidade, comerciantes que faliram e outros que já pensam em baixar as portas.

— A palavra paz está perdendo sentido para quem vive naquele lugar. Chegamos a um ponto que estamos perdendo todas as esperanças, nos sentimos impotentes — lamentou o presidente da Associação de Moradores da Rocinha, Carlos Eduardo, afirmando que sua casa foi alvejada por quatro tiros.

— Eu nem posso reclamar muito, porque a minha casa só recebeu quatro tiros, mas de muitas outras pessoas foram mais de 50, mais de cem tiros — completou.

Ocimar Santos, fundador da ONG Rocinha.org, chegou a fazer uma súplica ao governador:

— Eu só peço, por favor, que o senhor ouça os lamentos. Cada um aqui tem sua lamentação, mas o objeto é um só: paz. E como o senhor é o responsável pela segurança de cada um de nós, não tem pessoa melhor para a gente suplicar.

Luiz Fernando Pezão deixou a reunião afirmando que vai conversar com a cúpula da segurança pública para evitar guerra e fazer abordagens com mais inteligência. Disse que esta semana participará de um encontro na Firjan para discutir novas formas de policiamento. O governador também se comprometeu a participar de nova reunião com líderes comunitários em 15 dias.

Em nota, o Governo do Estado afirmou que após ouvir todas as reivindicações, Pezão afirmou que está em contato permanente com a área de Segurança do estado e que a prioridade é retirar as armas das mãos dos criminosos, principalmente os fuzis. O governador destacou que, para alcançar essa meta, o cerco à entrada de armamentos nas rodovias e o trabalho de inteligência, com o uso da tecnologia, têm sido importantes. Ele reconheceu que o projeto das UPPs teve que ser modificado devido à queda da arrecadação do estado, mas frisou que a criação do fundo de segurança garantirá mais recursos para a área.

Matéria de O Globo clique aqui

FavelaDaRocinha

Site de comunicação comunitária desenvolvido por estudantes de comunicação da própria comunidade da Rocinha.

FavelaDaRocinha

FavelaDaRocinha

Site de comunicação comunitária desenvolvido por estudantes de comunicação da própria comunidade da Rocinha.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *