Paixão por duas rodas na Rocinha

Sem títuloViajar para alguns é um sonho de vida que as vezes só acontece nas férias do trabalho, mas não para os apaixonados por duas rodas. O motogrupo “Moleques do Asfalto” criado em 2011 por colegas de infância mostra que sonho de criança se torna realidade.

Foto Sob Rodas

Integrantes do motoclube

Formado por oito homens e cinco mulheres, esse motogrupo respira uma harmonia admirável por todos. Quem pensa que os filmes americanos da década de 70 mostrando arruaceiros pilotando motos representando o motociclista atual se engana.

O presidente dos Moleques do Asfalto ressalta isso. “Somos uma irmandade independente de escudo ou moto”. Vagner Leotério, eleito presidente do grupo pela segunda vez, diz que a meta das viagens é conhecer gente e lugares novos.

Em média, o motogrupo realiza uma viagem por mês sendo escolhido o local por meio de reunião. Para entrar no grupo, é necessário ser apresentado por algum integrante e passar por uma avaliação que pode chegar ate um ano.

Nesse processo de iniciação se ganha um colete, e no decorrer do processo obtém-se insígnias que são colocadas no mesmo. Ao completar essa fase, você se torna um motociclista oficialmente. “Quando se coloca o colete, se torna parte de um conjunto, seguimos regras” diz Emmanuel Messias, mais conhecido como Amarelinho, um dos integrantes.                                                  

Os grupos de motociclistas do Rio de Janeiro obedecem ao estatuto da AMO (Associação dos Motociclistas do Estado do Rio de Janeiro) apesar de cada motogrupo ter suas regras, como por exemplo, a definição a partir da cilindrada de moto, por gênero (a maioria aceita tanto homens como mulheres).

Entrevista com o presidente do motogrupo Moleques do Asfalto

Faveladarocinha.com – Como é ser motociclista na Rocinha? Existe alguma vantagem ou desvantagem?

Vanger: É tranquilo, a vantagem é que qualquer lugar que marcamos pra ir é longe, e não vejo desvantagem.

FDR.com – Você sofre algum tipo de preconceito ou já sofreu preconceito por ser do motoclube da Rocinha?

Vagner: Não, pelo contrário, por sermos da Rocinha o pessoal acha diferente, ainda mais sendo uma comunidade da zona sul, tendo em vista que a não tem muitos grupos por aqui como nas zonas oeste, norte e regiões serrana e dos lagos.

FDR.com – Vocês frequentam algum bar na Rocinha? São famosos por aqui?

Vagner: Famosos eu não digo, mas as pessoas acham diferente nosso estilo de se vestir, parecemos até de outro mundo quando circulamos pela comunidade, nós nos reuníamos no Bar Amarelinho da Dioneia. Mas há uns dois anos, optamos por fazer as reuniões mensais na casa dos integrantes, cada mês é na casa de um, o pessoal ainda não entende nosso estilo de vida. A maioria das pessoas existe, nós vivemos. Para maioria da população viajar é pegar um avião ou ônibus e visitar parentes nas férias. Quando você fala que viaja de moto, elas não acreditam, no nosso caso ainda menos, pelo fato da maioria das motos serem de baixa cilindrada. E um dos motivos que nos levou a não reunir mais no bar, foi o fato ocorrido no nosso 2° aniversário, no dia seguinte a nossa festa, houve alguns comentários na comunidade, dizendo que a polícia (nós) tinha tomado a rua.

Já chegaram a me perguntar por que eu usava a bandeira da polícia no meu colete (bandeira do estado do Rio de Janeiro). E, para a nossa segurança e de nossos convidados, não nos reunimos a noite a não ser no Joarima que é na principal. Mas com a nova diretoria que tomou posse na festa de quatro anos, vamos tentar mudar esta visão das pessoas, fazendo mais pela comunidade e aparecendo mais, pois somos bem conhecidos fora da Rocinha.

Camilla Garcia

Estudante de jornalismo, apaixonada por música e curiosa em comunicação visual. Moradora e admiradora da Rocinha.

Camilla Garcia

Camilla Garcia

Estudante de jornalismo, apaixonada por música e curiosa em comunicação visual. Moradora e admiradora da Rocinha.

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Iranmotociclista disse:

    Parabems.vc s sao fofa tamo jnts.

  2. Roberto disse:

    Quero desejar ao MotoGrupo Moleques do Asfalto sucesso e apoiar as ações sociais que sempre serão bem vindas na comunidade.
    Parabéns ao presidente Vágner pela reeleição(extensivo aos integrantes) e pela iniciativa de mostrar sempre quando pode, o que faz o motociclismo.
    Forte abraço a todos e contém comigo p/ algum apoio,
    RobertoCarvalho,(Beto do Táxi,representante do Moto clube Liberdade de PortoSeguro/BA no Rio de Janeiro) .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *