C4 Biblioteca Parque da Rocinha tem seu futuro incerto

André Lazaroni fala sobre a situação que se encontra o projeto das Bibliotecas Parque

Com duas horas de atraso, o secretário de cultura do Estado do Rio de Janeiro, André Lazaroni, compareceu à reunião para discutir o futuro das Bibliotecas Parque e do C4, unidade que compõe essa rede de bibliotecas na Rocinha. Antes da chegada do secretário, sua equipe reafirmou as dificuldades financeiras que o Governo do Estado tem passado e informou que, no momento, ainda estudam como ocorrerá a reabertura do centro cultural. Lazaroni ratificou a fala da sua equipe.

“Agora, não há recursos para contratar e está se analisando compor o quadro de funcionários do C4 com professores já concursados da rede de educação. Em breve será aberta licitação para contratar empresas de segurança e limpeza para realizar esses serviços na Rede de Bibliotecas”, afirmou a subsecretaria adjunta de cultura, Mariana Varzea.

Equipe da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro

Lazaroni informou que “ainda não tem uma data para a reabertura do equipamento público, mas que está buscando parcerias para que isso aconteça”. Ele citou nomes de empresas privadas como Prezunic, Casas Bahia, Sesc, Senac e Sabrae como possíveis parceiros, além de sugerir o voluntariado para colocar o lugar em funcionamento. O C4 Biblioteca Parque da Rocinha está fechado desde 30 de dezembro de 2016, quando terminou o contrato entre o Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), Organização Social que administrava a Rede de Bibliotecas, e a Secretária Municipal de Cultura, que estava financiando o projeto.

A comissão de moradores da Rocinha em prol da volta do funcionamento da biblioteca, está se articulando para que em conjunto com o governo encontrem meios para a reabertura do espaço. O secretário disse que “sabe da existência da comissão, mas que não recebeu as propostas do grupo”.

Secretário de Cultura, André Lazaroni e presidente da UPMMR, Duda

Interrompendo a discussão, o presidente da associação de moradores da Rocinha, UPMMR, Duda, colocou a possibilidade da UPMMR assumir a gestão do espaço. A diretora do posto de saúde da Rua 1, Maria Helena Carvalho, ponderou que “o local é um espaço de cultura e deve ser gerido por organizações que atuam nessa área”. Mais uma moradora que colocou seu ponto de vista foi Chica da Rocinha, que num desabafo expos sua angustia em relação aos escândalos políticos que atrapalham no financiamento da biblioteca e “pede uma resposta de quando o C4 voltará a funcionar com mais qualidade”, resposta essa que ainda não há.

Lazaroni tentou marcar reunião com Crivella e o secretário de Cultura do Município do Rio de Janeiro, mas não teve sucesso. Além disso, tentou diálogo com o Ministério da Cultura, mas também não foi recebido.

Flávio Carvalho

Fotógrafo desde 2009, músico e jornalista formado pela PUC-Rio. Mora na Rocinha desde que nasceu.

Flávio Carvalho

Flávio Carvalho

Fotógrafo desde 2009, músico e jornalista formado pela PUC-Rio. Mora na Rocinha desde que nasceu.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *