A Biblioteca Parque da Rocinha – C4 – pode fechar as portas

De mal a pior, assim o governo trata a cultura e a educação, principalmente nas favelas. Inaugurada no dia 4 de junho de 2012, a Biblioteca Parque da Rocinha – C4- anunciou que pode fechar as portas e deu aviso prévio aos funcionários nesta segunda-feira, 23/11.  As Bibliotecas Parques de Manguinhos e de Niterói e a Biblioteca Parque Estadual, localizada no Centro do Rio, também correm o risco de encerrar suas atividades. O Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), que administra a rede de bibliotecas, está com o repasse de verbas suspenso desde agosto, e a Secretária Estadual de Cultura, Eva Doris, vai se reunir com o governador Pezão nesta terça feira para tentar reverter a situação.

A biblioteca é fruto de anos de diálogos de ativistas culturais da Rocinha com o poder público e fez parte do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC 1. Apesar disso, ela tem sido alvo de constantes críticas dos grupos culturais, pois não atende satisfatoriamente às propostas de moradores e artistas da favela. O C4, como carinhosamente é chamada pelos frequentadores, nunca funcionou plenamente, e alguns espaços, como a sala de audiovisual e o teatro, ainda não receberam todas as aparelhagens adequadas. Devido ao atraso do repasse de verbas em abril deste ano, o C4 reduziu seu quadro de pessoal e o horário de funcionamento, passando a atender o publico de terça a sexta, das 12h às 18h. Hoje funciona de terça a sábado, das 10h30 às 18h30, mas antes, abria de terça a domingo, das 10h às 20h.

O poeta e escritor Joilson Pinheiro, que realiza o sarau de poesia Letras da Favela, uma vez por mês no C4, lamenta a notícia “como escritor, eu sinto um vazio porque com a biblioteca a gente expõe nosso trabalho para a comunidade. O abismo do analfabetismo ao qual a comunidade retorna é algo estrondoso e preocupante. Se para os artistas da Rocinha o fechamento da biblioteca é um vazio, para os outros moradores é um abismo. É triste e desolador, nós precisamos fazer uma manifestação para que o governo mantenha a biblioteca. É lamentável porque vai deixar muita gente e muitos projetos desamparados”, desabafou  Joilson.

“Se para os artistas da Rocinha o fechamento da biblioteca é um vazio, para os outros moradores é um abismo” – Joilson Pinheiro.

Joilson conclui dizendo que a manutenção da biblioteca é um investimento mínimo perto do orçamento para a realização das Olimpíadas. Ele afirma ainda que o brasileiro precisa valorizar mais a cultura e a estruturação do pensamento e que tirar a possibilidade de o povo adquirir conhecimento é uma covardia. Segundo o Censo do IBGE, realizado em 2010, apenas 1,6 % dos  favelados possuem diploma universitário, em outras áreas das cidades esse número é de 14,7%.

Procurado pelo FavelaDaRocinha.Com, o diretor da Biblioteca Parque da Rocinha Luiz Lemos disse que aguarda posicionamento oficial para realizar  qualquer pronunciamento.

O Movimento Abre Biblioteca Rio (https://www.facebook.com/abrebibliotecarj/info/) está convocando a população, através da sua página na rede social Facebook, para uma manifestação neste sábado 28/11, às 15h, na Biblioteca Parque Estadual, na Avenida Presidente Vargas 1.261, Centro.

 

 

Marcos Barros

Cria da Rocinha, jornalista, coordenador de comunicação e professor voluntário do Pré-Vestibular Comunitário da Rocinha. Atuante no FavelaDaRocinha.com desde 2010.

Marcos Barros

Marcos Barros

Cria da Rocinha, jornalista, coordenador de comunicação e professor voluntário do Pré-Vestibular Comunitário da Rocinha. Atuante no FavelaDaRocinha.com desde 2010.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *